jump to navigation

O conceito de certo e errado na língua falada 26/08/2010

Posted by Maria Elisa Porchat in A Língua Portuguesa Adequada.
Tags: , , , ,
add a comment

Mestres da língua evitam os adjetivos “certo” e  “errado” com referência ao português coloquial, preferindo substituí-los por “inadequado” ou “impróprio”. O erro agora é impropriedade, ressalvando-se os deslizes de ortografia, área em que as regras do português são mais rígidas, quase sempre inquestionáveis.

A língua coloquial adequada é aquela que atende às necessidades da situação do momento. Simplificando, há um discurso próprio para uma conversa entre amigos num bar e outro para uma entrevista de emprego, merecendo um e outro alguma ou nenhuma tolerância em relação aos deslizes gramaticais.

Entretanto, mesmo no que tange à linguagem informal, não se admite por parte de certos segmentos profissionais , desobediência  em relação às regras gramaticais e sintáticas, pela responsabilidade que têm como divulgadores do português não apenas adequado mas correto. Falo dos jornalistas, dos publicitários, dos educadores e de qualquer figura pública que fala para um grande público. Quem escolheu um desses ofícios não pode cometer pecados gramaticais. 

Muitas vezes, um profissional para não prejudicar e estilo informal na observância do português correto, precisa buscar um modo de se expressar que não seja o da afetação, nem o da inadequação, uma terceira via que alie o estilo descontraído com o correto, para servir de exemplo de respeito à língua a ser seguido e admirado pelo público que atinge.

A Festa Literária de Paraty e eu 12/08/2010

Posted by Maria Elisa Porchat in Atualidades, Literatura.
Tags: , , , , ,
2 comments

Fui pela terceira vez à Festa Literária de Paraty e a cada ano gosto  mais dela. É aprendizado com  diversão,  a cabeça  mistura  literatura, história, arte e sociologia, relaxa com  caipirinha, passeio na praia  e  andanças  no centro histórico, as ruas cheias de arte popular . Sem falar na quantidade de pessoas conhecidas e da pilha de livros que você adquire para  deleite de um ano inteiro.

Ano a ano me hospedo mais perto das tendas. Na minha primeira Flip, fiquei num barco ancorado numa marina a quatro quilômetros da vila. Agora fico em pousada, fazendo a reserva com bastante antecedência. O único estresse do programa é a compra de ingressos para as mesas.  Tem acontecido de chegar cedinho no balcão de vendas, com o cartão de crédito na mão e ouvir da vendedora “estamos sem sistema” e quando o tal sistema volta, já não existem ingressos para as mesas mais procuradas.  É bem verdade que durante a Flip a pessoa acaba conseguindo assistir a todos os eventos, seja comprando o ingresso de alguém ou atrás do telão na rua, comendo uma tapioca ou um bolo de aipim.

De qualquer forma, a preparação para a Flip é prazerosa. Desde quando tomamos conhecimento por e-mails ou pelo jornal dos autores participantes e do homenageado e a partir daí lemos ou relemos  livros e textos  de assuntos sobre as palestras.Um programão.

Gilberto Freire na Flip 2010 12/08/2010

Posted by Maria Elisa Porchat in Atualidades, Literatura.
Tags: , , , ,
add a comment

Como era previsto, prevaleceram os elogios ao sociólogo Gilberto Freire, homenageado na Festa Literária de Paraty deste ano. Nas diversas mesas que discutiram sua obra, ficou patente sua contribuição para a cultura brasileira, apesar da polêmica na sua literatura.  Diferentemente dos grandes mestres da USP como Florestan Fernandes e Roger Bastide que defenderam a objetividade e o rigor científicos nas pesquisas sociológicas, Gilberto Freire retratou a sociedade patriarcal em Casa Grande e Senzala de forma mais descompromissada, intuitiva, sem conclusões, em que pesem os pormenores e a riqueza de informações de suas obras. Termos usados por ele como mulato e judeu, inexistem nos textos científicos.

Gilberto Freire valorizou a mestiçagem, as contradições, os paradoxos e a complexidades das relações entre o senhor de engenho e o escravo. Apresenta em Casa Grande e Senzala uma democracia racial, no que é contestado, com o equilíbrio dos contrários.

Conservador na defesa do patriarcado e revolucionário na forma de escrever, e por denunciar os prejuízos da monocultura da cana de açúcar por prejudicar o meio ambiente, as discussões sobre Gilberto Freire despertaram curiosidade nos milhares de leitores participantes da Flip de 2010.

Frases marcantes da Flip 2010 12/08/2010

Posted by Maria Elisa Porchat in Atualidades, Literatura.
Tags: , , , ,
add a comment

“Não existe explicação sobre como a poesia vem. Há um mistério inexplicável, ela nasce do espanto e qualquer coisa pode espantar o poeta”.

 “Literatura é a forma. A temática é um subproduto dela, é o autor e seus medos”.

“A maternidade é frustração e deleite”.

“O livro digital não substituirá o impresso. Os dois se somarão. Nada se compara à imersão no livro impresso”.

“As livrarias vão vender menos com o livro digital, mas podem oferecer serviços, como conselhos sobre obras e leitura”.

“Deus não tem a ver com a criação, é compromisso com um amor transformador, um poder transformador”.

“O Ocidente não está isento de barbáries. É errado generalizar que todo fundamentalista é terrorista”.

“Ter fé é importante para a identidade do ser humano”.

Estas foram frases que levaram leitores da Flip à reflexão, anotadas  durante as mesas de debate de Patrícia Melo e Lionel Shriver, Robert Darnton e John Makinson, Terry Eagleton , e na de Ferreira Goulart.

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: