jump to navigation

Flip 2013 08/07/2013

Posted by Maria Elisa Porchat in A Língua Portuguesa Adequada, Atualidades, Literatura.
Tags: , , , , ,
add a comment

FLIP 2010Flip 2013

Tento resumir o que ouvi  e vi ao  chegar  da Flip de Paraty. A cabeça volta um liquidificador ligado, depois de tanta informação e reflexão dos palestrantes. Procuro pôr no papel o que me marcou, o nome dos convidados interessantes, suas boas tiradas, para impedir que fujam imediatamente da minha memória.

Paraty esteve mais efervescente este ano com os protestos e passeatas que acontecem já há um mês. A organização do evento houve por bem acrescentar ao conjunto de mesas sobre poesia, romance e tudo o que se relaciona com literatura, alguns debates políticos, o que tornou a festa ainda mais pulsante. A escolha do homenageado, Graciliano Ramos, apesar de ter sido feita meses atrás, não poderia vir mais a calhar no contexto deste julho de 2013. Graciliano renovou a linguagem, foi altamente engajado na política brasileira da época, era um idealista e extremamente ético.

Começo pela poesia. Conheci a nova poesia, através de três jovens garotas poetas lindas tanto  no aspecto como nos versos cheios de profundidade : Alice Sant’Anna, Ana Martins Marques e Bruna Beber. Falaram dos seus encantos e desencantos com as palavras no momento da escrita. A utilidade da poesia ? É como uma varanda, onde se descansa e respira. Na poesia, um objeto sem graça como uma maçaneta ganha interesse e nos faz sonhar.

A poesia de rebeldia dos poetas Nicolas Behr e Zuca Sardan fez a plateia gargalhar  com  a  irreverência e verve crítica . Defenderam os versos  que vão contra as velhas ideologias e as regras rígidas. Nicolas, que mora em Brasília também quis protestar  e tirou  da mochila cartazes assim :

“A poesia pede passagem grátis”,“O Brasil acordou e a poesia concordou”, “ O poema lido jamais será vencido.

Para eles, o bom poema é aquele que machuca , que incomoda como as pedras do chão de Paraty.

O ponto alto da poesia declamada em Paraty saiu de uma dupla maravilhosa :  Cleonice Berardinelli, membro da Academia Brasileira de Letras tida como a maior conhecedora brasileira da obra de Pessoa e  Maria Bethânia.Pelos microfones, a cidade toda pôde se emocionar com os versos de Pessoa, com o entusiasmo  e atuação da professora Cleo  e com a atitude generosa, de  respeito e admiração  de  Bethânia  para com sua parceira de 97 anos.

Passando para a prosa, quais os limites dela? Segundo a escritora americana Lydia Davis e para o premiado irlandês John Banville não há. Cada um à sua maneira se distancia do realismo psicológico e fala sobre suas invenções, como a de habitar a mente de uma mosca.

Um novo modelo de romance histórico foi defendido pelo bósnio Aleksabder Hemon e pelo francês Laurent Binet.Como fazer para que milhões de judeus ou de soldados mortos  não sejam esquecidos ? Só através da imaginação oferecida pela literatura. É preciso a acrescentar algo à realidade e a chave do sucesso de um romance é a imaginação associada à investigação histórica.

A iraniana Lila Azam Zanganeh foi eleita nas conversas a musa da Flip 2013. Poliglota, conversou num português cheio de sotaque e charme com o poeta carioca Francisco Bosco sobre textos de prazer e de gozo.   Os de gozo somam ao prazer, a dor e a destruição da linguagem. São romances de transgressão, como Lolita de Nabokov, que representa o êxtase, a felicidade e o encantamento, principal objeto de estudo da iraniana que aos 26 anos começou a dar aula de literatura em Harvard.

Saindo da ficção, tive  orgulho de ver na Casa Folha minha sobrinha Silvia Bittencourt, jornalista radicada na Alemanha, apresentar e autografar seu livro A Cozinha Venenosa – um jornal contra Hitler. Durante três anos, Silvia superou desafios na pesquisa da história do Munchener Post, jornal que mesmo antes de Hitler tomar o poder já lhe fazia oposição vigorosa, tornando-se o maior inimigo nazista na imprensa, até ser fechado.

O escritor Rui Castro falou da sua experiência como biógrafo na Casa da Cultura. São 24 horas diárias de envolvimento com dos detalhes da vida do biografado. Ele chegou a procurar até a exaustão a marca da escarradeira que ficava na redação onde trabalhou Nelson Rodrigues.Para Rui Castro, o bom biógrafo é aquele que tem uma vida intensa e interessante.Só assim, consegue conversar com a vida do biografado.

A função da arquitetura foi debatida pelo crítico de arquitetura americano Paul Goldberger e pelo  premiado arquiteto português Eduardo Coutinho. Os processos e as intenções  de uma obra não são tão importantes quanto o resultado final.Tiradas : “Muitas casas que entraram para a história da arquitetura nunca foram habitadas.” “Ninguém almoça embaixo de um manifesto”.Niemeyer  ? O melhor e o pior na história da arquitetura brasileira. Fez com que o símbolo nacional fosse  a arquitetura do século XX, Brasília, mas pôs sombra em muitos talentos e não avançou.Passou a fazer cópias de si mesmo.

A política  foi o ponto forte da Flip 2013.Passeatas na rua, plateia agitada,  debates sobre as passeatas.Gilberto Gil  conversou com Marina de Mello e Souza sobre a defesa do patrimônio histórico  e cultural de Paraty.Falou da necessidade de se achar um equilíbrio entre os interesses locais e os globais e que cabe às autoridades encontrar esse equilíbrio. Mas “o Estado deixou de representar o interesse público e passou a representar o interesse privado”.

A jornalista Eliane Cantanhede, Na Casa Folha, fez a defesa do lado bom e romântico de Brasília, que a imprensa geralmente ignora. Só a roubalheira vira notícia. Comentou a importância dos protestos, com a ressalva de que se o Brasil está nas ruas é porque  melhorou.

Três mesas sobre as passeatas foram inseridas a toque de caixa na programação desse ano.A primeira – Narrar a rua – tratou da nova mídia das redes sociais responsável pela mobilização  maciça nas ruas. Dela participou o produtor cultural Pablo Capilé, responsável pela criação do N.I.N.J.A ( Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação ) que com um laptop e outros aparelhos conectados ao  iphone conseguiu cobrir as manifestações, de dentro das passeatas, com grande repercussão entre os jovens. A transmissão não faz filtro, não faz edição, o que levou a mesa ao questionamento do papel da imprensa tradicional durantes as passeatas. Junto com o diretor Marcus Faustini,  Capilé criticou governos e a Polícia, provocando longos aplausos. O  N.I.N.J.A é ligado a grupos militantes, a maioria do movimento Fora do Eixo, que promove músicos, bandas e debates.

A segunda mesa política – Da Arquibancada às ruas – lembrou a ideia fixa que o poder tem por grandes monumentos e estádios. O movimento Passe-livre , que é pequeno, mas antigo e persistente, percebeu que a máquina falsificada da democracia falhava e quando conseguiu amansar a Polícia, fez o movimento crescer.A mesa reuniu o filósofo Vladimir Safatle e o psicanalista Tales Ab’Saber que conectaram os eventos recentes a um momento internacional de questionamento da política e da democracia. Mais uma vez foi lembrada a falta de representatividade popular e que a violência da Polícia mostra o seu despreparo para a democracia.

Inflamada foi a  plateia no terceiro debate sobre polícia que juntou o economista André Lara Resende e o filósofo Marcos Nobre Eles  concordaram com a falta de representação política, mas discordaram sobre os motivos dos protestos.Para Lara Resende – a origem esteve no fato de o Estado sugar a renda nacional e não devolver em serviços de qualidade. Para Nobre, pelo peemedebismo, blindagem do sistema político contra as formas de transformação da sociedade. Acabou sobrando vaia para o mediador William Waack, representante da Rede Globo que não se furtou a defender sua posição: “movimentos sociais sem clara definição provocam menos mudança do que as esperanças despertam”.

De tudo o que ouvi sobre política, se existe consenso é na falta de representatividade do povo, que hoje quer bem-estar e respeito pela cidadania. Aprofundando a democracia, chegaremos a um novo modelo de sociedade.

Fecho o resumo com o homenageado Graciliano Ramos, cuja vida e obra era lembrada  antes de cada palestra, o que me fez matar um pouco a saudade dos meus tempos de Letras na USP. Já tinha quase me esquecido do que constatei na época ao ler São Bernardo e Angústia, da sua ironia e da busca obsessiva pela concisão, pelo silêncio e pela do excesso. Foi clássico no sentido do rigor de linguagem e moderno, por ser provocativo e pouco harmonioso. Embora ateu, dizia que a Bíblia era o melhor livro que já tinha lido.

A infância de Graciliano foi marcada pelas agruras do sertão e desde cedo se libertou da repressão através dos livros que lia. Adulto, marcou seu trabalho na Prefeitura de Palmeira dos Indios pelo senso ético, pela coerência de princípios e pela honestidade. A Flip enfatizou que o legado de Graciliano foi o despertar do espírito crítico e que é preciso uma dose diária de Graciliano na comunicação de hoje.

Pincelei um pouco do que vi e ouvi nesses  4 dias de Flip. Lá, foi muita coisa, sempre corria de um lado para outro, com a sensação de que estava perdendo algo em alguma parte da Festa. Acho que faltou mais  caipirinha na praia. Fica para o ano que vem.

Anúncios

Frases marcantes da Flip 2010 12/08/2010

Posted by Maria Elisa Porchat in Atualidades, Literatura.
Tags: , , , ,
add a comment

“Não existe explicação sobre como a poesia vem. Há um mistério inexplicável, ela nasce do espanto e qualquer coisa pode espantar o poeta”.

 “Literatura é a forma. A temática é um subproduto dela, é o autor e seus medos”.

“A maternidade é frustração e deleite”.

“O livro digital não substituirá o impresso. Os dois se somarão. Nada se compara à imersão no livro impresso”.

“As livrarias vão vender menos com o livro digital, mas podem oferecer serviços, como conselhos sobre obras e leitura”.

“Deus não tem a ver com a criação, é compromisso com um amor transformador, um poder transformador”.

“O Ocidente não está isento de barbáries. É errado generalizar que todo fundamentalista é terrorista”.

“Ter fé é importante para a identidade do ser humano”.

Estas foram frases que levaram leitores da Flip à reflexão, anotadas  durante as mesas de debate de Patrícia Melo e Lionel Shriver, Robert Darnton e John Makinson, Terry Eagleton , e na de Ferreira Goulart.

%d blogueiros gostam disto: